Bicicletada comemora dois anos de Ciclofaixa de Lazer do Centro

Compartilhar

Comemorar os dois anos da Ciclofaixa de Lazer do Centro e manifestar apoio ao Plano Cicloviário de Campinas. Esses foram os principais objetivos da bicicletada promovida por grupos de ciclistas e cicloativistas na noite dessa quarta-feira, dia 23 de janeiro.

A garoa do início da noite não atrapalhou o evento. Cerca de 80 ciclistas participaram da ação. Entre eles, o prefeito Jonas Donizette, que percorreu parte do trajeto. “Estou aqui para reafirmar o compromisso de levar adiante, dentro do plano de meios de transportes para a cidade, o projeto das ciclovias. Desejo estabelecer a opção do uso diário da bicicleta como meio de transporte”, declarou o prefeito.

O evento foi realizado no trecho da Ciclofaixa de Lazer do Taquaral / Norte-Sul; e também contou com a participação, na abertura, do secretário de Transportes e presidente da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (EMDEC), Sérgio Benassi; e dos vereadores Gustavo Petta (PCdoB), presidente da Comissão de Educação, Cultura e Esporte da Câmara, e André Von Zuben (PPS).

“É compromisso da Administração valorizar o uso da bicicleta na cidade, como forma de lazer e de transporte para pequenos trajetos, como trabalho e estudo. A bicicleta é um meio de transporte importante, que deve ser mais explorado. Defendo a implantação de ciclovias e ciclofaixas permanentes, interligadas com o transporte público”, enfatizou Sérgio Benassi.

Eduardo Feliciano Sans Gomez, membro do Conselho Municipal de Trânsito e Transporte (CMTT) e participante do grupo “Domingueiras Bike”, afirmou que “o papel da bicicletada é de cobrança, um espaço para a população cobrar do poder público uma política séria para transformar a ciclofaixa em ciclovia”.

Passeio
Os ciclistas iniciaram a concentração, na Praça Arautos da Paz, por volta das 18h. A bicicletada começou às 19h, com trajeto pelo entorno da Arautos, Lagoa do Taquaral e Avenida José de Souza Campos (Norte-Sul), retornando no Viaduto São Paulo (Laurão) até o ponto inicial.

Agentes da Mobilidade Urbana da EMDEC acompanharam o passeio, preventivamente, para evitar acidentes com ciclistas e monitorar o trânsito.

Durante o percurso, o grupo reivindicou a implantação da ciclovia da Avenida Norte-Sul. O projeto, elaborado pela EMDEC, contempla a implantação do espaço exclusivo para bicicletas no canteiro central da via, até o Viaduto Laurão. O custo para a obra é de cerca de R$ 400 mil. Ainda não há recursos para a obra.

Plano Cicloviário
A EMDEC já possui um estudo de Plano Cicloviário para o município, que visa instalação de trechos permanentes e exclusivos para ciclistas. Foram detectados mais de 100 km de rotas cicláveis, na cidade. A meta é de chegar a 139,7 km de ciclovias e ciclofaixas até 2017.

Os trajetos atendem equipamentos públicos importantes, como escolas, creches, centros de saúde e áreas de lazer (bosques, praças e teatros). A rede de ciclovias e ciclofaixas será interligada ao Sistema InterCamp (sistema de transporte público coletivo municipal); e passará por vias artérias das principais regiões, chegando até os Corredores do BRT, terminais urbanos ou estações de transferência. Além disto, a EMDEC também pretende dotar vários locais estratégicos com bicicletários.

A bicicleta é indicada para deslocamentos curtos, com raio em torno de 5 km. Com velocidade média de 15 km/h, o tempo médio do percurso fica em 20 minutos.

Ciclovias e ciclofaixas
Campinas possui, atualmente, 24,2 km de ciclovias e ciclofaixas. Confira:

– Lagoa do Taquaral: Ciclofaixa permanente com 5 km de extensão (a ciclofaixa da Lagoa do Taquaral integra a Ciclofaixa de Lazer do Centro, mas pode ser usada durante todos os dias da semana);

– Arautos da Paz: Ciclovia permanente com 1,2 km de extensão (também integra a Ciclofaixa de Lazer do Centro);

– Ciclovia do Kartódromo: 1,3 km (também integra a Ciclofaixa de Lazer do Centro e somente pode ser usada durante a abertura do espaço);

– Ciclofaixa de Lazer do Centro: total de 9,1 km (abrange parte do entorno da Lagoa do Taquaral, passando pelo Kartódromo e Praça Arautos da Paz, seguindo até o viaduto São Paulo (Laurão), pela Avenida José de Souza Campos (Norte-Sul)). Funcionamento somente aos domingos e feriados, em horário definido;

– Ciclofaixa de Lazer do Ouro Verde: 5,5 km (abrange o trecho da Avenida Coacyara entre o Bosque Augusto Ruschi e a Avenida Ruy Rodriguez). Funcionamento somente aos domingos e feriados, em horário definido;

– Barão Geraldo: 1,2 km de ciclovia e 2,7 km de ciclofaixa permanentes;

– Amarais: Ciclofaixa permanente com 2,7 km de extensão (bidirecional);

– Parque Linear Dom Pedro: Ciclovia permanente com 1,7 km de extensão (bidirecional).

Ciclofaixas de Lazer
A Ciclofaixa de Lazer do Centro foi inaugurada no dia 23 de janeiro de 2011. Ela recebeu a denominação de “Centro” porque o marco inicial era no Largo do Rosário; e o final, na Lagoa do Taquaral.

O percurso da ciclofaixa, no sentido Centro x Taquaral, contemplava a Avenida Francisco Glicério (atendendo o Largo do Rosário e Largo do Pará), Avenida Aquidaban, Rua General Marcondes Salgado (Bosque dos Jequitibás), Avenida José de Souza Campos (Norte-Sul), Avenida Júlio Prestes, Avenida Dr. Heitor Penteado (Lagoa do Taquaral) e Rua Vital Brasil (Praça Arautos da Paz).

Já no sentido Taquaral x Centro, os ciclistas percorriam a Avenida Dr. Heitor Penteado, Rua Vital Brasil, Avenida Júlio Prestes, Avenida José de Souza Campos, Avenida Dr. Moraes Salles (subida da lateral do Viaduto Laurão), Rua Coronel Quirino, Avenida Aquidaban e Avenida Francisco Glicério, passando pelo Largo do Pará até o Largo do Rosário.

Atualmente, a ciclofaixa opera no entorno da Lagoa do Taquaral, no Kartódromo, Praça Arautos da Paz e na Avenida José de Souza Campos (Norte-Sul), até o Viaduto São Paulo (Laurão). O funcionamento é aos domingos, das 7h até as 12h.

Já a Ciclofaixa de Lazer do Ouro Verde foi inaugurada no dia 1º de maio de 2011. O trecho inicial era na Avenida Coacyara, saindo do Bosque Augusto Ruschi, entrando na Avenida Ruy Rodriguez, até o ponto próximo à Ponte do Rio Capivari. Depois, o trecho ficou somente na Coacyara, entre o bosque até Ruy Rodriguez. Atualmente, a ciclofaixa do Ouro Verde não está operando.

Deixe uma resposta