Orquestra Sinfônica de Campinas apresenta barítono chileno

Compartilhar

Fonte: Assessoria de imprensa

Apresentação trará obras de Erik Satie, Modest Mussorgksky, Paul Dukas e Ottorino Respighi

A Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas apresenta-se neste sábado, 29 de junho, às 20h, e no domingo, 30 de junho, às 11h , no Teatro José de Castro Mendes, sob regência do maestro titular Victor Hugo Toro. O concerto contará com a participação especial do barítono chileno Patrício Álvarez.

A programação terá início com a obra de Erik Satie, “Duas Gymnopédies”, peças de pequena extensão com dissonâncias suaves que sugerem um caráter melancólico. Trata-se de um conjunto de três composições nas quais Satie, conhecido pela sua fina ironia, desafia a tradição ao escrever peças com uma sequência harmônica pouco usual em seu tempo.

Em seguida, virá a obra “Canções e Danças da Morte”, de Modest Mussorgksky, que se alinha a alguns músicos do século XIX que tiveram uma vida cheia de dificuldades e morreram prematuramente. O autor compôs algumas obras importantes, mas poucas tiveram sucesso durante sua vida.

Período de muitas dificuldades para o compositor, “Canções e Danças da Morte” é um conjunto de quatro canções para canto e piano com poemas de Arseny Golenishchev-Kutuzov, todas versando sobre o encontro com a morte em diferentes estágios de vida.

Na primeira, “Canção de Ninar”, a morte conversa com a mãe de uma criança moribunda; na segunda, “Serenata”, a interlocutora é uma jovem, e na terceira, “Trepak”, um bêbado (talvez refletindo o próprio compositor). Na última, “Marechal de Campo”, os interlocutores da morte são soldados tombados em combate. A orquestração, bem posterior, é do compositor russo Dmitri Shostakovitch (1906-1975).

A próxima obra do programa será “O aprendiz de feiticeiro”, um poema sinfônico. O gênero se desenvolveu em meados do século XIX e caracteriza uma obra orquestral inspirada em poema ou texto literário, em geral em um movimento.

É a obra mais conhecida de Paul Dukas, que, além de compositor, foi crítico de música e um dos grandes orquestradores de seu tempo. Extremamente perfeccionista, descartou grande parte de sua obra, entre as quais sua segunda sinfonia.

O encerramento virá com “Pinheiros de Roma”, composição de Ottorino Respighi, que se dedica, com grande sucesso, apenas à música instrumental.

No que se refere ao seu estilo de composição, a peça alinha-se ao pós-romantismo, tendência que agrega compositores que, já no século XX, dedicavam-se à composição dentro dos padrões do século XIX.

Victor Hugo Toro (regente)

Nascido em Santiago do Chile, realizou estudos de regência orquestral e graduou-se pela Faculdade de Artes da Universidade do Chile.

Foi vencedor do II Concurso Internacional de Regência Orquestral -Prêmio OSESP. Têm sido convidado a reger as mais importantes orquestras de seu país, além da OSESP, onde foi regente assistente e apresentou importantes peças do repertório universal.

Junto ao seu importante trabalho com orquestras jovens de seu país, Victor Hugo Toro é também compositor. Suas obras têm sido interpretadas por diversos grupos sinfônicos e de câmara.

Recentemente, foi laureado pela Sociedade Brasileira de Artes, Cultura e Ensino com a Ordem do Mérito Cultural “Carlos Gomes” no grau de comendador. Também recebeu da Câmara Municipal de Campinas a medalha “Carlos Gomes”, pelos relevantes serviços prestados à cidade. Atualmente, é diretor artístico e regente titular da Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas.

Patrício Álvarez Sepúlveda (barítono chileno)

O cantor chileno iniciou seus estudos de canto com a professora Lucía Gana, na Faculdade de Artes da Universidade do Chile, e deu continuidade ao aprendizado com o maestro Patrício Mendez. Participou de importantes ‘masterclasses’ com a soprano búlgara Elena Filipova e o barítono russo Sergei Leiferkus. Foi solista em produções das óperas “Carmen” (Bizet), “Le convenienze ed inconvenienze teatrali” (Donizetti), “Inés de Suárez” (Piatelli) e “La Traviatta” (Verdi) e integrou o elenco da estreia sul-americana da ópera “Il postino” de Daniel Catán, protagonizada por Plácido Domingo.

Paralelamente, à sua atividade operística, Patrício tem se apresentado habitualmente com a Orquestra Sinfónica de Chile, Orquestra Sinfônica de Concepción, Orquestra da Universidade de Santiago e Orquestra de Câmara de Chile em diversas obras do repertorio sinfônico coral. É fundador da “Companhia Lírica Urbana” (agrupamento de importantes cantores líricos chilenos dedicados à divulgação do repertorio operístico) e, desde 2011, atua como integrante do coro do Teatro Municipal de Santiago.

Serviço
Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas
29 de junho, sábado, às 20h
30 de junho, domingo, às 11h
Teatro Castro Mendes (Praça Corrêa de Lemos, s/nº, Vila Industrial. Campinas). Telefone (19) 3272-9359.

Sábado
R$ 30,00 (inteira), R$ 15,00 (estudantes, aposentados e maiores de 60 anos), R$ 10,00 (professores das redes municipal e estadual de ensino e pessoas com deficiência e mobilidade reduzida) e R$ 5,00 (estudantes da rede municipal e estadual de ensino)

Domingo
R$ 10,00 (inteira) R$ 5,00 (estudantes, aposentados e maiores de 60 anos) R$ 4,00 (professores das redes municipal e estadual de ensino e pessoas com deficiência e mobilidade reduzida) R$ 2,00 (estudantes da rede municipal e estadual de ensino)

É expressamente proibida a entrada após o início do concerto.
Não será permitida a entrada de menores de seis anos.

Hebe Rios

Editora-chefe

Deixe uma resposta