Sinfônica de Indaiatuba e Ópera Estúdio Unicamp apresentam La Serva Padrona

Compartilhar

Concerto contará com a direção musical de
Paulo de Paula e direção cênica de Felipe Venâncio

Um rico solteirão, uma empregada que sonha em se tornar patroa e que trama junto com outro empregado, seu cúmplice, uma forma de se casar com o patrão. Este não é o enredo da próxima novela ou de um novo seriado de televisão, mas um breve resumo da trama de La Serva Padrona, pequena ópera escrita por Giovanni Battista Pergolesi em 1733, que a Orquestra Sinfônica de Indaiatuba apresenta nos dias 22 e 23 de novembro, a partir das 20 horas, no CIAEI (Centro Integrado de Apoio à Educação de Indaiatuba), com entrada franca.   

Para esta montagem, a Orquestra Sinfônica de Indaiatuba, sob a regência do maestro Paulo de Paula, convidou o diretor cênico Felipe Venâncio e o Ópera Estúdio Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), dirigido por Angelo Fernandes, para juntos trazerem essa pérola da ópera cômica italiana. Em La Serva Padrona, Pergolesi faz uma inversão total (e irônica) ao apresentar um patrão (Uberto) que é oprimido pela sua criada (Serpina) a tal ponto que resolve arranjar uma esposa só para se livrar da situação que vive em sua própria casa. A criada então convence Vespone, outro criado, a dar um golpe no patrão para se tornar a patroa de fato.

La Serva Padrona fez um grande sucesso em sua época e é considerada um dos primeiros grandes exemplos de ópera bufa (ópera cômica). Escrita inicialmente como um intermezzo, ou seja, uma peça leve para ser apresentada durante os intervalos de uma ópera mais longa e séria, La Serva Padrona logo ganhou sua independência e passou a ser apresentada de modo autônomo.

Pergolesi nasceu em 1710 e é um típico representante do estilo musical napolitano. Apesar de sua obra mais conhecida ser La Serva Padrona, uma ópera cômica, ao longo de sua curta vida – morreu em 1736 com apenas 26 anos – escreveu também óperas sérias e peças sacras como a também famosa Stabat Mater.

Ópera Estúdio Unicamp

Criado em 2012, o Ópera Estúdio Unicamp é formado por estudantes de canto e jovens cantores de cursos de graduação e pós-graduação, tem amplamente desenvolvido atividades pedagógicas em canto e atuação, de performance nas montagens de óperas e de pesquisa, e tem sido um laboratório para projetos do Programa de Pós-Graduação em Música do Instituto de Artes da Unicamp.

O Ópera Estúdio Unicamp conta com direção artística de Angelo Fernandes, Isabela Siscari como pianista correpetidora e na direção de palco, Presto Kowask no desenho de luz e iluminação, e figurinos próprios. A direção cênica e cenográfica é do ator, diretor e produtor Felipe Venancio, bacharel em Artes Cênicas pela Unicamp e tecnólogo em História do Teatro pelo Senac (SP).

Diversos cantores da Ópera Estúdio Unicamp se apresentam nos dois dias de concerto. Uberto (baixo) será responsabilidade de Heitor Coelho (dia 22) e Leandro Cavini (dia 23). Serpina (soprano) ficará com Helen Tormina (dia 22) e Raíssa Amaral (dia 23). Vespone (ator) ficará a cargo de Gabriel Pangonis nas duas apresentações.

O concerto é uma realização da Secretaria de Cultura de Indaiatuba e da Associação da Orquestra de Indaiatuba, com entrada gratuita e por ordem de chegada.

Serviço
La Serva Padrona, com a Orquestra Sinfônica de Indaiatuba e Ópera Estúdio Unicamp
Direção musical: Paulo de Paula
Direção cênica: Felipe Venâncio
Direção artística: Angelo Fernandes
22 e 23 de novembro
20 horas
Sala Acrísio de Camargo, no CIAEI
Av. Eng. Fábio Roberto Barnabé, 3.665, Jd. Regina, Indaiatuba (SP)
Entrada gratuita e por ordem de chegada

Fonte: Assessoria de Imprensa
Fotos: Rafael Re

Hebe Rios

Editora-chefe

Deixe uma resposta