A classe que manipula e mente

Compartilhar

por Luiz Roberto Saviani Rey

É interessante e curioso notar como a classe dominante – aquela que insiste em romper o isolamento social para poder abrir seus negócios e fazer com que seus empregados morram de corona vírus, enquanto seus integrantes garantem o lucro e suas próprias vidas – consegue ser mais mentirosa, aleivosa e falsa do que as demais camadas sociais que amparam a aventura insólita do bolsonarismo.

Como ela age no sentido de questionar e pôr em dúvida considerações, análises e processos justos e coerentes que atingem o âmago do presidente e de suas ações intempestivas e imprevisíveis.

Na quinta e na sexta-feira passadas, às primeiras antecipações de um provável pedido de demissão do ex-juiz Sérgio Moro do Ministério da Justiça, muitos representantes dessa classe imperiosa arvoraram-se em vestais da “verdade”, agindo como deusas consagradas a velar o fogo sagrado perpétuo, e a mostrar-se defensores de Roma em chamas.

A primeira iniciativa desse público foi atacar posts de jornalistas, de analistas e de pessoas que utilizam as redes sociais para informar. Diziam, arrogantemente, que tudo não passava de Fakenews, de mentiras deslavadas para denegrir a imagem do presidente e confrontá-lo com Moro.

A despeito de uma escalada gradual em que toda a mídia prenunciou a demissão, continuaram e insistiram que se tratava de informação falsa.
Buscavam salvar a imagem de ambos. Logo após tentarem desqualificar informações – muitas delas, como no meu caso, baseadas em fontes fidedignas cruzadas (ou seja, fontes de diferentes matizes políticos), mudaram o foco. Sentiram que não dava para tapar o sol com a peneirinha de coar feijão e passaram a atacar a imprensa com as tradicionais frases contendo títulos de jornais e emissoras de rádio, TV e de portais online acrescidos do termo “lixo”.

São essas mesmas pessoas que, de suas torres de marfim, rotulam opositores, criam clichês e banalizam a opinião, o imaginário que permeia a opinião pública, chamando a todos quantos se opõem aos seus pensamentos malévolos e particulares, de comunistas.

É lamentável que, após tantos crimes de responsabilidade revelados, ainda haja quem defenda o atual governo por meio de argumentos falsos, aleivosos, que se levantam como barreira à preservação da democracia, das liberdades e da ética, do decoro, da elegância, do garbo e galhardia que o cargo presidencial exige.

É difícil entender, porque estamos perdendo a visão do todo, deixando de propiciar o desenvolvimento de um país próspero e melhor para todos!

Luiz Roberto Saviani Rey

Luiz Roberto Saviani Rey é jornalista, escritor e professor de jornalismo com Especialização e Mestrado pela Faculdade Cásper Líbero.

ilustração: Imagem de Alex Yomare por Pixabay

Deixe uma resposta