Voz e ruído são temas de campanhas na Unicamp

Compartilhar

HC faz atendimento gratuito. Roda de samba abre programação

 

 

Dia 16 de abril é comemorado o Dia Mundial da Voz e dia 24 de abril é comemorado o Dia Internacional da Conscientização sobre o Ruído. O curso de Fonoaudiologia e a disciplina de Otorrinolaringologia, da Faculdade de Ciências Médicas (FCM), preparam uma programação especial para a semana de 15 a 19 de abril.

De 15 e 19 de abril, nos estágios curriculares na rede SUS Campinas e no campus da Unicamp, em Campinas, alunos do curso de Fonoaudiologia realizam ações precedidas por intervenções artísticas abordando os temas voz e ruído. A abertura acontece no dia 15, às 12h30, no anfiteatro 1 da FCM, com a apresentação da cantora Andréia Preta com o show “Na Roda, no samba”. O encerramento será no dia 19 de abril,  às 12h30, na praça do Ciclo Básico com o coral Zíper na Boca.

No dia 16 de abril, o ambulatório de Otorrinolaringologia do Hospital de Clínicas (HC) da Unicamp oferece atendimento gratuito especializado à população, das 8 às 16 horas, quanto aos problemas da voz que podem interferir na qualidade de vida e nas relações de trabalho.

 

O tema do Dia Internacional da Conscientização sobre o Ruído é o ruído urbano com o slogan: Quem compartilha ruído, compartilha perigo! Estudos indicam que o ruído está entre os principais agentes causadores de estresse, insônia, depressão e até perda auditiva que levam a mudanças físicas e psicológicas negativas nos seres humanos.

 

“A campanha do Dia Internacional de Conscientização sobre o Ruído surgiu há quinze anos nos EUA. Em todo o mundo são realizadas atividades de orientação, informação e conscientização sobre o ruído e a poluição sonora que não enxergamos, mas sentimos no nosso dia-a-dia”, explica Lúcia Mourão, fonoaudióloga e professora do curso de Fonoaudiologia da FCM da Unicamp.

 

O Dia Mundial da Voz é uma ideia brasileira que conquistou o mundo. O tema desde ano é Seja Amigo da sua Voz. A Unicamp participou da criação da campanha desde o início e coordenou, nacionalmente, as campanhas nos anos 2001 e 2002, quando foi alcançada a maior extensão nacional. Em 2013, a campanha conta com o apoio da cantora Sandy.

 

 

Rouquidão persistente por mais de duas semanas, pigarros, dores constantes de garganta, sensação de incômodo ao engolir alimentos e perda da voz são alguns dos sinais que servem de alerta. Laringites ou o surgimento de pequenos cistos, ou ainda de nódulos ou pólipos são alguns dos problemas mais comuns que podem causar distúrbios vocais.

 

“O número de mortes poderia ser menor se as pessoas prestassem mais atenção nas alterações da voz e procurassem avaliação médica nas fases iniciais do problema, o que aumentaria as chances de cura. Quem fica rouco sem melhora por mais de 15 dias deve procurar um especialista, alerta o otorrinolaringologista da FCM da Unicamp, Agrício Nubiato Crespo.

 

Rouquidão devida a uma gripe ou resfriado pode ser tratada por clínicos gerais e pediatras. Quando a rouquidão durar mais de duas semanas, ou não tiver uma causa óbvia, deve ser avaliada por um médico especialista em nariz, ouvidos e garganta – o otorrinolaringologista. Problemas com a voz são melhores conduzidos por um grupo de profissionais que inclui o médico otorrinolaringologista e o fonoaudiólogo.

 

O que é bom para a voz?

Beber mais de 8 copos de água por dia;

Procurar atendimento especializado se usar a voz na profissão;

Só usar pastilhas, sprays ou medicamentos indicados por médicos;

Evite soluções caseiras.

 

O que faz mal à voz?

Fumo, àlcool, drogas e poluição;

Tossir, gritar muito ou pigarrear;

Cantar ou gritar quando gripado;

Falar em locais barulhentos;

Mudanças bruscas de temperatura;

Ambientes com muita poeira, mofo, cheiros fortes, especialmente se a pessoa for alérgica.

Deixe uma resposta