Vôlei Brasil Kirin consegue virada épica, mas fica fora da final do Paulista

Compartilhar

O Vôlei Brasil Kirin fez um jogo épico, mas acabou fora da final do Campeonato Paulista. Os comandados do técnico Horacio Dileo buscaram uma desvantagem de 2 a 0, derrotaram o Sesi-SP, de virada, por 3 a 2 (20/25; 15/25; 25/20; 25/19 e 15/12), no Ginásio da Vila Leopoldina, em São Paulo, porém foram superados no golden set (25/22), no segundo jogo da semifinal do Estadual, e estão eliminados.

O foco dos comandados do técnico Horacio Dielo agora é a Superliga. Atual vice-campeão do torneio, o time campineiro estreia contra Juiz de Fora, no próximo dia 26 (quarta-feira), às 20 horas, fora de casa. Ainda em outubro, o Vôlei Brasil Kirin disputa a Supercopa contra o Sada/Cruzeiro, no dia 29, em Fortaleza.

“Começamos mal, mas jogamos o jogo como tem que ser após o terceiro set, com volume e boas sequência de saque. Lutamos até o final. Estamos evoluindo, nos conhecendo e o grande objetivo segue sendo a Superliga. Vamos continuar trabalhando para melhorar”, comentou o ponteiro Diogo.

Assim como nas últimas partidas, a comissão do técnica do Vôlei Brasil Kirin usou uniforme rosa em alusão ao Outubro Rosa, campanha de prevenção e combate ao câncer de mama. O gesto será repetido durante todo mês.

brkxsesi_01

O JOGO
Diogo comandou o início de jogo campineiro. Com o braço quente no ataque, o ponteiro anotou cinco pontos e ajudou o Vôlei Brasil Kirin a abrir quatro na primeira parada técnica (8 a 4). A parcial foi passando e os donos da casa conseguiram igualar o marcador (14 a 14). Em meio ao equilíbrio, Maurício Souza anotou um ace e levou os visitantes para a frente na segunda parada (16 a 15). Na reta final, os donos da casa mantiveram a concentração e levaram o primeiro set: 25 a 20.

Assim como na primeira parcial, o time campineiro tentou manter o ritmo forte no início com Diogo no ataque. Os mandantes, no entanto, fizeram pressão no saque e complicaram a virada de bola campineira. Rivaldo e Maurício seguiram como melhores opções para Rodriguinho, mantendo os visitantes no jogo. Mesmo assim, os paulistanos se seguraram e levaram o segundo set: 25 a 15.

O Vôlei Brasil Kirin acordou no terceiro set. Com a entrada de Bruno Temponi, o time campineiro conseguiu se equilibrar e deu trabalho para o adversário. Com passa na mão, Rodriguinho colocou os atacantes campineiros para voar. Vini e Temponi se encarregaram na virada de bola e se encarregaram de deixar o time visitante na frente (16 a 14). Na reta final, Vini emplacou grande sequência de saque e o Vôlei Brasil Kirin fechou a terceira parcial: 25 a 20.

No quarto set, quem apareceu para o Vôlei Brasil Kirin foi o bloqueio. Logo no começo da parcial. Temponi e Baiano fecharam a porta do ataque paulistano e o time campineiro logo saiu na frente (8 a 5). Em outro ponto de block de Temponi, o Sesi-SP foi obrigado a pedir tempo (10 a 6). Na volta da paralisação, Diogo encheu a mão no saque e anotou ace, ampliando a vantagem. O paredão campineiro seguiu funcionando com Maurício Souza e os visitantes não tiveram problema para forçar o tiebreak após fazerem 25 a 19 na parcial.

O Vôlei Brasil Kirin manteve o ritmo na parcial de desempate e logo abriu 3 a 0, obrigando o adversário a pedir tempo. Com a boa vantagem, o time campineiro não teve dificuldades para construir a vitória em mais uma parcial de forma tranquila. Temponi, um dos grandes destaques do jogo, chamou a responsabilidade na virada de bola e encaminhou a virada campineira. Em erro do adversário, o Vôlei Brasil Kirin fechou o tiebreak por 15 a 12, a partida por 3 a 2 e forçou o golden set.

GOLDEN SET
Assim como nas últimas parciais, o Vôlei Brasil Kirin começou em cima e logo abriu 2 a 0. Aproveitando o grande número de falhas do time campineiro, o Sesi-SP passou na frente e tomou o controle da parcial. Temponi e Maurício Souza mantiveram o time campineiro na partida. Na reta final, Temponi e Vini conseguiram bons bloqueios, mas os donos da casa conseguiram garantir a vaga na final ao fechar por 25 a 22.

Deixe uma resposta