Valorização dos animais de estimação como parte da família promove mudanças no mercado de imóveis

Compartilhar

Campinas é a segunda cidade no país em número de pets por domicílio e empreendimentos se adaptam para atender demanda

De acordo com o IBGE, o Brasil tem mais de 70 milhões de cães e gatos. Campinas é a segunda cidade no país em número de animais por imóvel, presentes em 56% dos lares, perdendo apenas para Curitiba, conforme dados do Conselho Municipal de Proteção e Defesa dos Animais. Pesquisas revelam ainda que a maioria dos donos de pets os consideram como parte da família ou mesmo um filho. Essas tendências, presentes especialmente entre os representantes da chamada geração milênio (pessoas nascidas nas décadas de 1980 e 1990), vem influenciando também o mercado de imóveis, no qual ganham destaque os empreendimentos que já identificaram essa demanda e buscam se adequar para receber bem os bichinhos.

“Hoje esses clientes querem um imóvel que se adapte ao seu estilo de vida, e que inclua seu pet, e não ao contrário”, destaca a diretora de Administração Imobiliária e Condomínios da Regional do Secovi em Campinas, Kelma Camargo. “É também crescente a procura por espaços pet friendly, ou seja, que ofereçam uma infraestrutura preparada para atender os animais de estimação. Algumas empresas, inclusive, vêm se especializando no desenvolvimento de espaços de lazer para pets em condomínios, com áreas reservadas e equipamentos para entretenimento”, aponta a diretora.

De acordo com Kelma, mesmo os condomínios que não dispõem de espaços específicos em geral não proíbem a presença de animais de estimação nas unidades, mas existem regras que devem ser respeitadas por todos para garantir a boa convivência e evitar dores de cabeça. “Entre elas estão o uso dos elevadores de serviço, não circulação em áreas comuns como piscina, playground e salão de festas, além da utilização de coleira e focinheira para as raças previstas em lei”, ressalta a diretora.

Bem estar e qualidade de vida

Além da valorização de seus pets, os compradores da geração milênio prezam igualmente maior qualidade de vida, seja nos cuidados com a saúde e a alimentação, na prática de atividades físicas ou no tempo dedicado ao lazer e descanso. Hoje, fatores como espaço ao ar livre, contato com a natureza e áreas de lazer ganharam tanta importância quanto itens tradicionalmente analisados na compra de um imóvel, como a segurança e a localização, ampliando o potencial de venda e locação no mercado imobiliário.

“Sem dúvida que empreendimentos que oferecem maior oportunidade de convivência e lazer com a família e os amigos, ainda que em áreas coletivas, têm maiores chances de atrair esses novos compradores”, destaca Kelma. “Os chamados espaços gourmet, com churrasqueiras e fornos para pizza, chamam especial atenção, uma vez que as tendências de consumo apontam para redução nas refeições feitas fora de casa, como resultado da necessidade de uma alimentação mais saudável e da apreciação da arte culinária no conforto do lar”, diz.

Mesmo com tantas mudanças, a necessidade por sentir-se seguro ainda permanece, com 76% dos compradores da geração milênio afirmando que esse é um item essencial na seleção do imóvel. “Esse sempre vai ser um ponto-chave para todas as gerações, por isso a presença de recursos como monitoramento por câmeras, cercas elétricas e portarias 24 horas pode garantir que determinado imóvel seja escolhido em detrimentos de outros não tão equipados, é um investimento que sempre vale a pena”, finaliza a diretora da Regional do Secovi em Campinas.

Deixe uma resposta