Projeto premiado chega ao desfecho

Compartilhar

Última parte do projeto de dança Entre o Óbvio e o Nunca Visto, assinada pela bailarina Cora Laszlo, será encenada domingo (24/6), às 18h, no Salão do Movimento, em Barão Geraldo. A entrada é franca.

Após ter percorrido sete cidades de São Paulo, o projeto Entre o Óbvio e o Nunca Visto chega ao seu desfecho. Para o último espetáculo, a bailarina Cora Laszlo convidou a intérprete Bárbara Elias para a cena da improvisação. Dividido em seis partes, o sexto trabalho cênico do programa, contemplado pelo edital Primeiras Obras de Espetáculo de Dança, do ProAC (Programa de Ação Cultural de São Paulo), será encenado neste domingo (24/6), às 18h, no Salão do Movimento, em Barão Geraldo. A entrada é franca.

Trabalhar com o improviso responde a também dois anseios da intérprete. No primeiro, reforça o apuro técnico da bailarina por meio de sua formação na Técnica Klauss Vianna, que pesquisa a improvisação. No outro, reflete o momento atual da arte no Brasil em profundo caos. “A nossa cultura vive um momento de desmonte e turbulência. Tratar do improviso na cena traz a prontidão, a vivacidade e a oportunidade de lidar com essa realidade em desordem no presente da ação e aos olhos da plateia”, conta Cora.

A bailarina
Graduada em dança pela Unicamp, a bailarina Cora Laszlo tem pós-graduação na Técnica Klauss Vianna pela PUC-SP. Há 16 anos apura seu conhecimento sobre a técnica no Salão do Movimento (Campinas/SP), onde atualmente é professora. A experiência da artista atravessa os processos de criação autoral (solos, duos e grupos) para alcançar trabalhos criados e dirigidos por outros artistas, como Jussara Miller, Angel Vianna e Morena Nascimento. Atualmente, encontra-se em momento de experimentação da pluralidade da dança, criando, circulando, pesquisando, sendo intérprete, preparadora corporal e professora de dança contemporânea.

A convidada
Bárbara Elias é professora de Ashtanga Yoga e certificada em Tchawang NgalSo Reiki I e II. Desde o início de 2018, dança no Grupo Cena 11 Cia. de Dança. Trabalha com Elisabete Finger como intérprete em Monstra e Montagem. Estudou teatro físico na École Internationale de Théâtre Jacques Lecoq, em Paris, e Comunicação das Artes do Corpo na PUC-SP. Em São Paulo, desenvolveu trabalhos com a Cia. Perversos Polimorfos, com direção de Ricardo Gali. Também dançou duas criações de Morena Nascimento: Antonia e Claraboia.

SAIBA MAIS
O quê: Sexta parte do projeto Entre o Óbvio e o Nunca Visto
Quando: Domingo (24/6), às 18h
Onde: Salão do Movimento (Rua Abílio Vilela Junqueira, 712, Guará/Barão Geraldo, em Campinas)
Quanto: Entrada franca
Informações: (19) 3287-8861

Deixe um comentário