Unicamp recebe inscrições para o Vestibular Indígena 2020

Compartilhar

Reportagem: Luiza Vieira

Faltam apenas 10 dias para o encerramento das inscrições do Vestibular Indígena 2020 da Unicamp. Essa é a segunda edição da modalidade, que ano passado foi responsável pela entrada de 64 indígenas de 23 etnias diferentes.

As inscrições tiveram início no dia 2 deste mês e podem ser realizadas até o dia 30 de setembro no site da Comvest, gratuitamente.

A edição deste ano conta com diversas novidades. A universidade estendeu a prova para mais uma cidade e será aplicada no dia 1 de dezembro em Campinas e Bauru (SP) Caruaru (PE), Dourados (MS), São Gabriel da Cachoeira e Tabatinga (AM).

Além do novo local, as vagas disponibilizadas aumentaram de 72 para 96 e sete novos cursos foram inseridos no vestibular de 2020. Com base em conversas com estudantes e lideranças indígenas, a Unicamp entendeu a necessidade de oferecer formações que estejam mais relacionados aos interesses dessa comunidade. Os cursos são: Ciências Biológicas (integral e noturno), Educação Física (integral e noturno), Engenharia de Alimentos (integral e noturno), Engenharia de Telecomunicações (integral), Engenharia de Transportes (noturno), Sistemas de Informação (integral) e Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas (noturno).

A prova, escrita em português, contará com uma redação e 50 questões de múltipla escolha distribuídas da seguinte maneira:

  •  Linguagens e códigos (14 questões);
  •  Ciência da Natureza (12 questões);
  •  Ciências Humanas (12 questões).


No site da Comvest, os alunos podem encontrar o programa de estudos bem como demais informações sobre o processo. 

Segundo a Unicamp, para ter sua matrícula aprovada, os candidatos deverão comprovar que pertencem a uma das etnias indígenas brasileiras, por meio da documentação especificada no Edital , que deverá ser entregue no dia da prova. 

Outra exigência é que os participantes tenham concluído o Ensino Médio em algumas das seguintes condições:

  • Cursado o ensino médio integralmente na rede pública (municipal, estadual, federal)
  • Cursado em escolas indígenas reconhecidas pela rede pública de ensino;
  • Obtido a certificação do ensino médio pelo ENEM ou exames oficiais (por exemplo, o Enceja).  

Estudantes que cursaram algum período do ensino médio na rede particular não serão aceitos. 

Álvaro da Silva Júnior

Jornalista, Fotógrafo e profissional de Marketing e Comunicação Integrada.

Deixe uma resposta