Expoflora apresenta sugestões de festas em jardins em sua mostra de paisagismo

Compartilhar

Com o tema Jardins em Festa, 40 profissionais apresentam 28 ambientes utilizando plantas ornamentais e flores produzidas em Holambra. Evento será aberto ao público no dia 29 de agosto. O público esperado é de 300 mil visitantes. A maior exposição de flores e plantas ornamentais da América Latina pode ser visitada até o dia 28 de setembro, de sexta a domingo, das 9h às 19h.

Levar as comemorações dos mais diversos tipos para as áreas externas junto à natureza. A maior parte dos projetos é simples e de baixa manutenção para que possam ser adaptados em jardins de diversos tamanhos. Basicamente essa é a linha das propostas dos 40 profissionais que criaram os 28 ambientes que compõe a Mostra de paisagismo e jardinagem, uma das atrações da Expoflora 2014 que chega a sua 33ª edição, mostrando as tendências em flores e em plantas ornamentais para o mercado nacional de floricultura.

Com o tema Jardins em Festa, paisagistas, agrônomos, arquitetos, designers e decoradores e outros profissionais da área comemoram os 10 anos da Mostra de paisagismo e jardinagem levando o público para celebrar qualquer ocasião ao ar livre. Reforçam os casamentos em áreas externas e resgatam os descompromissados piqueniques.

O principal objetivo é apresentar opções que podem ser colocadas em prática em residências ou em ambientes corporativos. A coordenação da Mostra de paisagismo e jardinagem é assinada pela engenheira agrônoma Ana Rita Gimenes e de Ralph Gerardus Dekker, da Floral Design Brasil. A Expoflora 2014 têm o patrocínio da Ypê, Coca –Cola, Crystal, Amstel e Ultragaz e o apoio da Prefeitura Municipal da Estância Turística de Holambra.

Resumo dos ambientes

Ambiente 1 e 2 – Comemoração a dois
Liana Glingani e Neide de Brito Guimarães Segecs,
Paisagistas (São Paulo)
O romântico passeio a dois por este jardim é conduzido por uma singela alameda que margeia o despretensioso riacho criado por um espelho d´agua. As salvinias (plantas aquáticas) formam um tapete sobre o leito, camuflando as tilápias e cascudos que não se cansam de percorrer várias vezes o extenso percurso. As rústicas pedras são muito decorativas, assim como os contemporâneos vasos vietnamitas colocados dentro do riacho. Em dourado e preto, eles sustentam vários tipos de gramíneas (capim do texas, gusmânica e beucárnias, entre elas). O mobiliário rústico faz parte da cenografia, pensada para ambientes de estar. Nas margens, bromélias imperiais, hibiscos coloridos e barbas de serpente. O piquenique ar livre sugere uma comemoração a dois que pode terminar, literalmente, em bons lençóis. Momentos românticos do namoro para imaginar e sonhar com os preparativos do casamento. Tudo em um ambiente o mais natural possível, como são naturais os sentimentos que guardamos no coração.

Ambiente 3 – Natureza em Festa
Juliana Catto e Mirella Sanches
Arquitetas (Campinas)
A proposta é retratar a alegre e festiva harmonia dos elementos da natureza. Para tanto, cada um deles – Água, Fogo, Terra e Ar – ganhou um pequeno ambiente devidamente ornamentado com plantas e flores de cores variadas. O espelho d’água central foi rodeado por vasos de diferentes formas, tamanhos e cores, repletos de violetas do campo para que sejam refletidas a simplicidade e a alegria do ambiente. O revestimento do espelho, em pastilha cerâmica, traz umidade às flores e árvores do local. A água é movimentada por um sistema de bomba para inibir a proliferação de limo. Ao redor do espelho, o piso rústico leva até o pergolado onde está o elemento Terra. Dois canteiros de salvia splendens parecem iluminar o solo e garantem grande beleza. O pergolado é o lugar destinado ao encontro das pessoas e à contemplação do ambiente. Ao lado, mesas e bancos em madeira rústica descansam sobre o piso de pedrisco palha, pequeno e médio, cercado por touceiras de aspidistra. Cobrindo o pergolado, chapas em aço recortadas a laser protegem do Sol e criam nuances de iluminação. Atrás, dois painéis em revestimento cimentício molduram a estrutura. Do outro lado do espelho d’água, o espaço destinados às árvores, como aroeira salsa e choupo italiano, representa o elemento Ar. O movimento contínuo do vento sobre as folhas emite um som encantador. O elemento Fogo é identificado por uma lareira de chão com revestimento que imita pedra. Na parede foram fixados painéis em aço corten que recebem a iluminação da lareira, propagando desenhos assimétricos.

Ambientes 4, 5 e 6 – Encanto das Águas
Nivaldo Dellagostini e Junior Eleno
Paisagista (Campinas) e projetista luminotécnico (Atibaia)
A água, como elemento fundamental da vida, está presente em três lagos ornamentais e em uma fonte que formam esse plano e agradável jardim. O tropical e o oriental convivem harmoniosamente nessa composição paisagística, servindo de moldura para os lindos lagos. A vegetação tropical inclui as primaveras híbridas, sem espinhos e com flores cor de melancia que florescem o ano todo, tanto em vasos como em jardins. Traz, também, as flores cor de laranja das piracantas, as kaizukas, shimpakus, matsus e juníperos, as bromélias e as éricas nas cores branca, rosa e pink. Na oriental, destaque para as diferentes variedades de bonsais, com idades entre 30 e 60 anos, como o pinheiro negro, que impõe toda a sua majestade. As carpas ornamentais Nishikigoi, símbolo de força e coragem, deslizam pelas águas dos três lagos com suas belas colorações e desenhos. Neste jardim multicultural destaque especial para o projeto luminotécnico, assinado pela Vivaluce. As luminárias em forma de cogumelos brancos e marrons, em diferentes tamanhos são muito charmosas. O projeto traz a tendência de uma iluminação mais área, de cima para baixo, revertendo o que vinha sendo feito até então. Postes com lâmpadas de led e holofotes com alógenas (resistentes à chuva) destacam os pontos mais importantes do jardim. As luminárias de aramado em vários tamanhos, tendência trazida de Milão, podem, simplesmente, ser penduradas nas árvores. O curioso é a possibilidade de revesti-las com tecidos impermeáveis, na cor desejada para compor a decoração.

Ambiente 7 – Casamento no campo
Vaner da Silva
Paisagista (Porto Ferreira)
A inspiração veio dos casamentos norte-americanos, celebrados nas áreas externas das residências, mas o paisagismo é bem brasileiro. A simples composição dos móveis de ferro em branco com as flores do campo é suficiente para demonstrar a possibilidade de decorar lindamente os espaços para uma data tão especial. No casamento no campo reinam as primaveras híbridas na nave principal e nos vasos brancos sobre a mesa, onde disputam espaço com as orquídeas em tons que variam do branco ao lilás plantadas em pequenos vasos espelhados. É o toque de sofisticação do ambiente. Destaque para a tecnologia utilizada para reduzir o estresse hídrico das plantas. O jardim recebe uma hidratação de um polímero superabsorvente que retém a água na planta na dose certa, evitando o desperdício. Esta tecnologia evita que as espécies percam o viço, pois não há a necessidade de irrigação constante.

Ambiente 8 – Vernissage das Artes
Anita Houtman, Anne-Marie van den Broek e Marisa Trippia
Pedagoga, musicoterapeuta e artista plástica (Holambra)
A proposta é integrar as diferentes formas de artes com a natureza. É a natureza que inspira as artes e convida para o retorno aos jogos de infância, educativos, feitos com madeira reciclável. Os instrumentos musicais orquestram a sintonia dos canteiros que recebem cyclamens em cores vibrantes e kalanchoes vermelhos e das orquídeas phalaenópsis em vasos de fibra de coco sincronizadas na parede. As palmeiras abrem seus leques demarcando espaço e usam o mesmo tipo de vaso revestidos de fibra de coco natural dos pau d’alho dispostos e fileira. Os pneus revestidos em sisal – fio natural cultivado nas regiões semiáridas – transformam-se em mesas e bancos. Grama esmeralda e pedriscos forram o piso do ambiente por onde passeiam os curiosos patos de sisal que servem de vasos para os cíclames brancos e rosas.

Ambiente 9 – Viva a Vida
Rosana Negreiros
Paisagista (Campinas)
Esta festa celebra os vários ciclos da vida: a criação, o nascimento, a renovação, a continuidade e a preservação das espécies. As personagens são as plantas em suas várias fases de desenvolvimento. As miniplantas, tendência para a decoração e paisagismo, pousam no cenário nos bicos das cegonhas como crianças sendo entregues às suas mães. Formam essas novas família, em tamanhos diminutos, a tuia holandesa, a beucarnea, a zamioculcas, a rosa do deserto, a phalaenopsis e o antúrio. As cegonhas pairam sobre as plantas adultas aconchegadas em grandes gamelas rústicas de barro do Vale do Jequitinhonha. Nesse interessante berçário plantas com grande potencial ornamental e facilidade de manutenção, como a barba de Moisés, lavandulas, tostão, dipladênia, hoya carnosa e demdrobio. Nessa festa de vida e nascimento, flores de corte, como as alstroemerias, lírios, ranúnculos, lisiantus, crisântemos, além de folhagens, decoram a mesa de bolos e cupcakes e docinhos de biscuit. Os belíssimos acessórios de decoração foram produzidos por artesãos ou garimpados em antiquários mineiros para agregarem valor histórico ao projeto. Os varais de lâmpadas de led criam um clima bucólico de festa do interior. Os pendentes de vitral na forma de animais polinizadores, como pássaros, borboletas e libélulas, contribuem a leveza e a transparência. Nessa renovação da vida, a sustentabilidade é fundamental: o piso é ecológico por conter borracha reciclada de pneus usados, por ser drenante e de fácil higienização. Nas paredes, apenas tinta a base de terra.

Ambiente 10 – Green Party
Carolina de Amoedo Campos, Juarez Azevedo e Cileni Maria da Silva Alves
Arquiteta (Holambra), designer de interiores e gerente administrativa (Mogi Mirim)
Acompanhando as tendências do momento de realizar comemorações ao ar livre, tendo a natureza como foco principal, este jardim foi dividido em três ambientes com diferentes propostas para se tornar um local ideal para qualquer celebração. No centro do ambiente destaca-se um espelho d’água, feito com azulejos azuis e ornamentado com uma imensa escultura em raiz, extraída de manejo florestal. Ao lado, uma grande mesa de madeira com pés de tronco, exibe objetos como candelabros e lanternas orientais, além de uma caixa com kalanchoes coloridos. Nas laterais, dois vasos com palmeira leque que se evidenciam pelo tamanho das folhas. O verde brinda os visitantes com uma gama imensa de nuances oferecidas pela espadinha e pela ajuga, que formam um lindo tapete listrado natural. A sustentabilidade tem grande destaque neste jardim pela escolha dos materiais, como as madeiras do deck. A facilidade nos cuidados e na manutenção foram pontos importantes para a escolha de algumas espécies, como o podocarpo e o dasilium que atuam como pano de fundo deste ambiente, assim como os aspargos e a renda portuguesa que se destacam no jardim vertical atrás da escultura em raiz.

Ambiente 11 – Canto do descanso
Fernando Legatti
Paisagista (Campinas)
Pequeno, porém acolhedor. A proposta é mostrar que o tamanho não é impeditivo para que qualquer jardim seja transformado em um ambiente agradável e aconchegante. Diante da escassez dos recursos hídricos foram escolhidas para o projeto espécies resistentes e que exigem pouca manutenção e irrigação. Plantas com estrutura imponente, como as palmeiras, compensam o baixo índice de floração, presente somente nas moreias com suas delicadas e charmosas flores. Para o mobiliário apenas poltronas rústicas feitas com madeira reciclada e uma preguiçosa rede para descanso. Na parede, toda a simbologia de uma mandala, circunferência usada como arte pelos antigos povos para representar geométricamente a dinâmica relação entre o homem e o cosmo.

Ambiente 12 – Ervas e Temperos
Maria Cecilia Daemon de Miranda e Cleide Pestana
Paisagistas (Campinas)
Nesta festa o original bolo é feito com temperos e as lembrancinhas para os convidados são plantas em sacos de juta. O projeto propõe a transformação de todo o jardim da casa em uma fonte de aromas em harmonia com as plantas e flores. Os temperos e as ervas, prontos para serem usados a qualquer momento, é uma satisfação a ser compartilhada. Todos eles – hortelã, salsinha ou manjericão, manjerona, pimenta e alecrim – podem ser colhidos na floreira instalada na janela ou nos vasinhos pendentes da parede ou plantados em qualquer lugar: em potes de sorvete, no carretel de fio, em caixotes, nas rolhas de vinho, nas bolsas das bicicletas. Transformados em vasos são espalhados por todo o ambiente. Eles ainda podem brotar da arvore desenhada no painel que decora a parede e fica juntinho da pia para facilitar a rega. Os materiais de demolição, como madeirite e pia são muito bem ser reaproveitados. De baixo custo, o cultivo de temperos e ervas tem manutenção simples e permite a renovação frequente.

Ambiente 13 – Beira do Lago
Fernanda de Andrade Figueira
Paisagista (Campinas)
Este ambiente foi criado para ser uma espécie de refúgio para alívio do estresse do dia a dia. A queda d’água em madeira coberta por samambaias sobre o pequeno lago quadrado encarrega-se de levar as energias negativas. Escultura hindus protegem o ambiente. O papiro exibe, de dentro do lago, suas hastes longas e cabeleira de folhas finas. Mas, quem faz às vezes de anfitrião do ambiente, é o formio, plantado em vasos vietnamitas. As ninfeias e cavalinhas contornam o lago e se encontram com as alpinias, helicônias e bromélias, dispostas entre as pedras e a grama esmeralda. Um renque de moréias com flores alegram o jardim, como uma explosão de confetes brancos.

Ambiente 14 – Festa Tropical
Bruna Lima e Dyane Pires
Paisagistas (Campinas)
A ideia é levar jardim tropical para dentro da casa, de forma simples e harmoniosa. Para representá-lo, foram escolhidas plantas exóticas com cores vivas e encontradas nas florestas brasileiras. O espaço é pensado para reunir amigos. Os decks foram construídos com pallets reaproveitados. Sobre a mesa rústica, um arranjo com alstroemérias rosas, brancas e amarelas. Na parede lateral, palmeiras dividem o espaço com as ráfias. Sobre os pedriscos, as resistentes bromélias. O visitante pode passear pelo caminho formado pelos decks até o banco de madeira natural, ladeado pelo caixote de as alegres margaridinhas amarelas e por vasos de acrílico que imitam os vietnamitas, mas com um custo inferior. Na parede, as samambaias parecem que jorram dos quadros verdes.
Ambiente 15 – Sabedoria do povo oriental
Cleide Bonatte
Paisagista (Campinas)

Baseado na antiga arte chinesa do Feng shui de saber viver em harmonia com a natureza, este jardim foi projetado para proporcionar sensação de serenidade e felicidade aos visitantes. Por sua exuberância e beleza foram escolhidos os pinheiros mat su preto e mat-su topiado, em forma de bon sai gigante – ambos com mais de 20 anos – que se destacam no centro do ambiente. A lanterna japonesa vermelha, com frases sobre a amizade, ilumina todo o espaço. Na parede, o símbolo em grafiatto nas cores preto e branco. Éricas japônica, moreias e dianelas emprestam seus coloridos suaves ao jardim. Uma montanha coberta com grama esmeralda sustenta um pendente de pedras que representa o Vento. O pequeno lago homenageia o elemento Água. O caminho de pedriscos brancos leva até uma fileira de moreias.

Ambiente 16 – Cor da Cor
Mangabeira e Alexandre Ayres
artista plástico (Jaguariúna) e decorador (Catalão)
A integração entre o paisagismo, as artes plásticas e a ambientação de interiores trouxe para este ambiente urbano a sofisticação e a descontração do campo. As flores e plantas deste jardim conseguem ser destaque no ambiente sem competir com as grandes telas e esculturas, elementos até então restritos às áreas internas. As obras são do artista plástico José Gonçalves Junior, o Mangabeira, como assina seu trabalho. O banco de madeira de demolição divide os canteiros de antúrio vermelho e branco. Na gaiola de ferro orquídeas e kalanchoes brancos. A mesa, cuidadosamente preparada para a festa, tem toalha de renda branca, candelabros e orquídeas para o toque de romantismo. As orquídeas também enfeitam a parte central do pergolado. Chaleiras em inox servem de charmosas luminárias que pendem da forração de voal sobre mesa de jantar. As grandes ânforas com orquídeas ficam se sentinela para proteger o bolo. O espelho sobre o aparador amplia o ambiente e duplica as flores da decoração. Vasos de calas, antúrios e minimargaridas demarcam o jardim.

Ambientes 17 e 18 – Recanto dos Deuses
Raquel Alves
arquiteta e paisagista (Campinas)
São dois ambientes. Um deles propõe um cantinho especial para almoçar ou jantar ao ar livre e para curtir momentos relaxantes em meio à arte e à vegetação. A proposta é representar a cultura brasileira por meio da diversidade de cores, texturas e elementos da natureza. O uso de materiais naturais começa pelo piso de acesso ao ambiente. Um mosaico feito de tijolos entremeados por grama cobre boa parte do jardim, também forrado com pedriscos. Os quadros trazem pinturas de animais e de deuses da cultura brasileira, feitos pelo artista plástico Vitor Machado. Do outro lado, a cascata de água recebe um cocar de samambaia e abastece as bacias de barro antes de cair no espelho d´água observado pelas bromélias vermelhas. Do outro lado da alameda, o ambiente continua como um jardim bem informal para o descanso. O mesmo piso de tijolos e grama é utilizado neste jardim, fazendo um caminho ladeado por impatiens e arbustos tropicais que leva até dois pergolados. Em um deles, ornamentado com cestos indígenas, abrida do Sol duas confortáveis espreguiçadeiras. O outro, recebeu uma aconchegante rede de casal.
Ambiente 19 – Casamento Aromas do Campo
Cintia Rua, Claudia Ibanez Chaves e Natlália Salcedo
Paisagista, designer de interiores e arquiteta (Vinhedo)
O aroma como elemento fundamental para um casamento no campo recria uma festa ao ar livre com os perfumes e a simplicidade da natureza. O romantismo está por toda a parte, das roseiras do jardim aos kalanchoes, crisântemos e lírios plantados no chão. Todos em cores suaves e serenas, como o branco, o rosa, o amarelo e o lilás. Pequenos postes de luz e fileiras de vasos brancos indicam o caminho até o altar. Sobre os futtons de pallets, confortáveis almofadas brancas para descansar. Frutas e ervas compõem a decoração, realçando a madeira do pergolado e dos móveis. Do pergolado e da árvore pendem cachos de vidrilhos e cascas de frutas se transformam em elementos decorativos. As lavandas espalham o seu inconfundível perfume, sobressaindo ao aroma da hortelã, da menta, do orégano e do alecrim. As árvores frutíferas, como a pitangueira, o jambo e a laranjeira ainda em flor também perfumam e embelezam o ambiente. A mesa, a esquerda, está posta para a comemoração, decorada com um lindo arranjo de ranúnculos cor-de-rosa na forma de um coração. Sobre ela pendem esculturas de ferro. 0 armário mantem as portas abertas para exibir os vasos com suculentas. As orquídeas foram plantadas em vasos pregados na parede, formando uma rara escultura.
Ambiente 20 – Piquenique no quintal
Daphne de Toledo Nobrega e Maria Cristina Tofano Cecilio
Designer de Interiores e paisagista (Campinas)
Reunir a criançada para um piquenique no quintal é um privilegio para quem pode organizá-lo. Esta deliciosa reunião tem direito a um ambiente colorido, com destaque para o amarelo ouro, como a luz do Sol. A decoração é feita pela própria natureza que oferece o colorido dos amores perfeitos, gerânios, callas, yuccas, asplênios, ciclantus, lavandas, columeias, véu de noiva, ripsalis, mini hera, tostão e orquídeas. Os bancos e as mesas de pallets, pintadas de amarelo, estão prontas para a refeição. Os pallets também foram usados na confecção das floreiras e da prateleira para as plantas. O canteiro central tem forma de gota d´água e está repleto de yucas, costelas de adão, asplênios, ciclantus e chamedorea. Os amores perfeitos também estão no jardim, junto com as callas. As orquídeas, rosa e branca, foram plantas em vasos de pallets no chão. Os canos de PVC formam uma graciosa escultura na parede e servem de suporte para a hera, véu de noiva, ripsalis, peperômia e tostão.

Ambiente 21 – Chá de Bebê
Jaíce Di Prospero Blasques
Paisagista (São Paulo)
Organizar um chá de bebê no jardim pode ser uma ideia inovadora e bastante criativa. O cenário está pronto para receber as amigas e comemorar a chegada do bebê. Utilizando plantas resistentes, de baixa manutenção e, geralmente, encontradas no mercado, como as palmeiras, orquídeas e fúcsias, o ambiente foi decorado com flores e objetos nas cores rosa e azul. A chaise de fibra sintética, rodeada por palmeiras e orquídeas cor de rosa acomodará a futura mamãe para receber os presentes que são depositados em uma banqueta do mesmo material da confortável cadeira. O caminho até o local da festa é delineado por grandes vasos de palmeiras enfeitados com saquinhos de tecido coloridos. Destaque para os blocos do piso que imitam dormentes, mas são feitos de um produto cuja base principal é o cimento. O aspecto de madeira de demolição foi dado pela aplicação de resina. Este piso confere ao jardim a beleza da natureza sem a necessidade da extração da madeira. Ele pode ser assentado com argamassa ou direto na areia, mantendo a permeabilidade do solo. No cenário da festa, as mesas receberam vasos de orquídeas brancas e rosas. Os doces e enfeites também são nas cores rosa e azul, pois ainda não se sabe o sexo do bebê. Na parede o varal com roupinhas de recém-nascido tornam a decoração mais graciosa.

Ambiente 22 – Sintonia (Festa na Floresta)
Mauro Contesin e Maura Lima
Paisagistas (Vinhedo e São Paulo)
Animais e plantas vivem em sintonia com a natureza. O convívio harmônico entre as espécies da flora e da fauna se traduz na verdadeira festa, que é a vida. Esse habitat de plantas, flores e bicho foi reproduzido com contrastes de cores, formas e texturas. Os macacos brincam nas cordas enquanto as calmas girafas contemplam a natureza. O leão, guardião da floresta, também protege a entrada do ambiente. As folhagens exuberantes brotam das pedras junto às rosas do deserto, cactos e bromélias. As cores laranja e amarelo das paredes oferecem mais energia, e a madeira amarelada dos móveis foi escolhida para tornar o ambiente mais vibrante. O charme a e alegria são garantidos pelos vasos e flores azuis.

Ambiente 23 – Piquenique no Jardim
Alexandre Gusmão Coelho Lacerda e Cintia Roberta Zanuzzo
Paisagistas (Piracicaba)
O aroma das plantas mistura-se ao cheiro dos móveis construídos com madeira nobre, como a peroba rosa. A mesa de madeira reciclada está preparada para uma refeição informal. O lounge tem sofá e poltronas e fica muito charmoso com os grandes vasos em diferentes formatos e tamanhos ocupados com as bromélias e kalanchoes. Begônias roxa e hibiscos amarelos alegram o cantinho de descanso, forrado com pedriscos e cascas de pinus, que contribuem para manter o nível de umidade necessária para as plantas. A dracena arbórea, plantada também em vasos tem forte apelo visual pelo exotismo de seu tronco delicado e folhas exuberantes de um verde vivo. Uma pequena horta exibe verduras e temperos e possibilita o consumo de produtos orgânicos plantados pela própria família. Detalhe para a cesta de vime com cravos amarelos e laranjas pendurada no encosto da cadeira, e compondo com o suplat sobre a toalha quadriculada em vermelho e branco. A composteira é a alternativa ecológica para desprezar o lixo orgânico doméstico, como restos dos alimentos do piquenique e folhas caídas no jardim. Com custo acessível, o sistema de compostagem oferece um excelente adubo para o jardim, contribuindo com o meio ambiente.

Ambiente 24 – Jardim no quintal
Cláudia Schutzer de Magalhães
Arquiteta (São Paulo)
O quintal é amplo e precisa ser aproveitado para estimular os encontros descompromissados em tardes bem agradáveis. Por isso ele foi transformado em um jardim contemporâneo e descontraído. Aqui, é permitido andar descalço sobre a grama para, depois, saborear um gostoso almoço ou café da tarde junto à mesa de tampo em forma de flor. Os bancos convidam para o bate-papo preguiçoso e a rede de madeira, rodeada por arbustos de vireya, garante o sossegado descanso. Tudo foi pensado para propiciar a maior socialização e a baixa manutenção. A grama esmeralda é resistente e não se deteriora facilmente. Os móveis são todos de madeira maciça. As espécies de plantas que ornamentam o ambiente são muito fáceis e cuidar, com a vantagem de não serem tóxicas, como as moreias, palmeiras e arecas bambu. Os canteiros de flores quebram o verde escuro das folhagens. A luminosidade do ambiente intensifica as cores da viréya que pode chegar a dois metros de altura, formando uma parede de flor. Esta planta se desenvolve muito bem tanto à meia sombra como a Sol pleno. Originária do sudoeste asiático, a virérya floresce praticamente o ano todo e suas flores duram, aproximadamente, 20 dias.
Ambiente 25 – Celebrando a amizade
Marcos Daniel Rodrigues Brancher e Sylvia Schleier
Paisagistas (São Paulo)
As três bicas d’água logo na entrada servem para o visitante relaxar e lavar a alma das agitações diárias. No lado oposto, o espaço piquenique foi pensado também para bem receber as crianças que não podem ser excluídas desse encontro. Bem juntinho ao vermelho das dracenas tricolores que contrastam com o verde e amarelo das murtas, dionelas e pleomeles reflexas, as crianças podem desfrutar de lanchinhos em deliciosas toalhas de tecido xadrez espalhadas displicentemente pelo chão. Uma hortinha vertical, contendo temperos como orégano e manjericão, ajuda a criançada a se inteirar sobre o estado natural dos alimentos. A casinha de cachorro tem teto verde, forrado de grama, para oferecer maior conforto térmico ao grande amigo. A mesa de piquenique foi ornamentada pelas lavandas e astromélias lilás. O mobiliário é feito da madeira que sobra das obras de construção. As mesas e os bancos foram tratados com verniz, deixando-os preparados para suportar a chuva. Jogos americanos nos tons azul e cru, vasos coloridos de vidro reciclados e castiçais feitos de potes de geleia ajudam a compor a decoração. O piso drenante é composto por pedrisco e por decks de madeira que formam um desenho ornamental. Há também espaço para fugir do coletivo e mergulhar em uma conversa mais reservada, a dois, ou, simplesmente, curtir o sossego solitário deixando que o pensamento viaje com a paisagem. O mobiliário em pallets ganhou almofadas de diversos tons de azul. Sob a pérgula de madeira adornada pela trepadeira de maracujá e por quadros de suculenta a conversa pode fluir até tarde sob o calor do fogo da rústica caldeira de metal.

Ambiente 26, Praça do Beijo
Jean Felipe Korstee Ferreira e Johnny Van Der Bruggen
Agrofloricultores (Holambra)
O nome de Beijo para esta praça pode ser muito sugestivo e levar para longe a imaginação dos mais românticos. Mas, beijo é um dos nomes pelos quais os impatiens e sumpatiens (versão da flor resistente ao Sol) também são conhecidos. Os outros, são Maria-sem-vergonha, Beijo-turco, Balsamina, Beijinho, Ciúmes e Maravilha, Maria-sem-vergonha. Sua flor é muito charmosa e colorida, garantindo a graça e a beleza de qualquer jardim. Em quantidade, realizam um verdadeiro espetáculo, que o publico pode assistir confortavelmente sentado em um dos bancos do jardim. São nada menos do que 1.200 mudas no canteiro central de forma geométrica. As principais características desta flor são a sua resistência ao Sol pleno e a floração garantida durante o ano todo, causando um grande impacto visual onde quer que seja plantada.

Ambiente 27 e 28 – Jardim de Monet
Eliane Sganserla
Paisagista (São Paulo)
A ambiência inesquecível do Jardim de Monet, em Giverny, na França, foi recriada neste espaço preparado para receber, sobretudo, as crianças. Ao lado de árvores como o pau Brasil e a aroeira salsa, elas podem se sentar em almofadas e brincar de desenhar os lírios brancos, as Hortências, as orquídeas que se agarram às árvores e as begônias coloridas dispostas na bancada de madeira antigamente, usada como queijeira. Afinal, Monet cultivou os jardins que aparecem em suas obras. Ele, simplesmente produzia os cenários que queria pintar. Os antúrios, samambaias e bromélias convidam para o repouso do corpo e da alma. Ao lado do espelho d´água onde boiam os papiros, é possível desfrutar do frescor da natureza para um momento de leitura.

Serviço:
33ª Expoflora
Data: de 29 de agosto a 28 de setembro, de sexta-feira a domingo
Horário: das 9h às 19h
Localização: Holambra, SP 340, rodovia Campinas-Mogi Mirim, saída 140.
Ingressos: R$ 34,00 na bilheteria
Informações para o público: (19) 3802-1421 e expoflora@expoflora.com.br

Deixe uma resposta