Notícia por quem entende!

Compartilhar

Autor: Hebe Rios

O trabalho de quem é especialista em noticiar não é, com certeza, o mais difícil do mundo, mas não tenho dúvida de que não é simples e exige formação, disposição, criatividade, iniciativa e uma série de condições para levar informação correta ao maior número possível de pessoas. Me lembro que quando trabalhava em redações de TV, os dias mais difíceis para nós, jornalistas, que mais exigiam de nossa capacidade e habilidade, eram também os melhores, mais quentes e interessantes para o telespectador.

Quase sempre, essa relação se repete em outros veículos, numa condição sempre inversamente proporcional. O que é desgastante para o jornalista, é bom para o público. Bom para que ele possa se informar de fato, e não se iludir com as mentiras convenientes a determinados grupos, mascarados com as fake news.

Em tempos difíceis para a sociedade, com a pandemia, os jornalistas da Unicamp vêem o trabalho triplicar e sua função social se fortalecer, como mostram estes trechos da reportagem, que você pode acessar na íntegra no link indicado, e entender porque notícia tem que ser produzida por quem entende de notícia.

Em dois meses foram produzidas pela Secretaria de Comunicação mais de 90 notícias, além de 50 programas de TV, com entrevistas e atualizações diárias de informações e orientações. Aplicativos antes utilizados apenas para videoconferências, transformaram-se em aliados e tornaram possível a ampliação do trabalho da Rádio e da TV.

O resultado pode ser medido no aumento do número de inscritos no Youtube oficial da Unicamp que, em menos de três meses, saltou de 6 seis mil para dez mil.

Não é só isso: avoluma-se o contato fundamental com a imprensa externa, que precisa e quer ser informada. É assim que os relevantes trabalhos de pesquisa chegam ao grande público, é com isso que notícias falsas são desmentidas, é dessa forma que a população pode ser orientada.

Esse trabalho de assessoria de imprensa não pode distinguir fins de semana dos demais dias, ou o horário comercial das altas horas, como acontece diversas vezes em períodos de emergência.

Mas os resultados compensam: nos últimos doze meses, a Unicamp foi mencionada em 61 mil notícias de âmbito regional, estadual, nacional e internacional. O encaminhamento e orientação da comunidade interna para se comunicar com a sociedade é, portanto, contínuo”.

“A comunicação da Unicamp em tempos de Covid-19” realizada por Peter Schulz, Clayton Levy, Ronei Tezolin e Patrícia Lauretti

Disponível em: https://www.unicamp.br/unicamp/coronavirus/comunicacao-da-unicamp-em-tempos-de-covid-19

Hebe Rios

Editora-chefe

Deixe uma resposta