Fundação FEAC mapeia áreas de risco ao coronavírus em Campinas

Compartilhar

Estudo contempla três diferentes perspectivas sociais que agravam a disseminação do novo vírus no município 

Um diagnóstico territorial com o mapeamento das populações mais vulneráveis ao coronavirus (COVID-19) e as áreas de risco em Campinas foi elaborado e publicado pela Fundação FEAC nesta sexta-feira, 27 de março. O estudo contempla três diferentes perspectivas de agravamento a disseminação do novo vírus no município de acordo com as recomendações da OMS e identifica quais as áreas de risco sobrepondo informações da densidade demográfica, do grupo de risco e acesso da população ao saneamento básico em Campinas.

Para elaborar o material, foram utilizados dados do CENSO 2010 e suas variáveis, garantindo assim uma visão mais refinada das perspectivas abordadas. A identificação das áreas foi baseada nos aspectos de agravamento do potencial espalhamento do coronavírus em Campinas a partir de números relativos à quantidade de moradores por território.

A primeira análise refere-se à densidade demográfica que leva em consideração a quantidade de pessoas por km² em Campinas. Áreas acima de 1.472 hab/km² foram classificadas no estudo como alta densidade demográfica, são elas: Conjunto Habitacional Mauro Marcondes, Conjunto Habitacional Vida Nova, Parque Floresta, Bassoli, DICSs, Jardim Campo Belo, CDHU San Martin, Flamboyant, região Central, Oziel e Monte Cristo e Castelo Branco. Um território com alta concentração de pessoas facilita e acelera a transmissão do vírus nas cidades. 

O segundo aspecto analisado é o grupo de risco, que, conforme classificado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) foca no público idoso, ou seja, pessoas acima de 60 anos de idade, esses podem ficar mais expostos e ter complicações decorrentes da Covid-19. Os bairros que se destacam nesse aspecto são: Jd. Florence e Arredores, Sousas/Joaquim Egídio, Pq. Centenário e Arredores, Conj. Hab. Vida Nova e Arredores e Região Central. A taxa de presença de idosos varia de 14% a 17%, considerada muito alta. 

O terceiro aspecto da análise identificou a quantidade de moradores que eram atendidos por abastecimento de água da rede geral. Existem espaços em Campinas em que nenhum morador tem acesso ao saneamento básico, o que os expõe a falta de recursos para as recomendações da OMS em relação a higienização básica contra a propagação do COVID-19.

As regiões que chamam atenção nesse terceiro aspecto analisado são: Parte Jd. São Marcos/Matão e arredores, Jd. Rossin, Village Campinas e Áreas Rurais do Municipio. Nessas áreas foi constatado que de 85% a 100% das pessoas não possuem acesso ao saneamento básico.

As Áreas Rurais exigem destaque como pontos de atenção devido às formas alternativas de captação de água e do sistema de saneamento básico, cenário que não insere essa população na rede geral, e dificulta o monitoramento em caso de falta de recursos hídricos.

O estudo identificou 15 pontos de atenção no município de Campinas, onde, de acordo com as três perspectivas abordadas, foram apontadas no estudo como taxas altas de potencial a disseminação do coronavirus:

Áreas de Alta Densidade:
1. Conj. Hab. Mauro Marcondes/Vida Nova;
2. Pq. Floresta/Bassoli;
3. DIC’s;
4. Jd. Campo Belo;
5. Jd. São Marcos;
6. CDHU San Martin/Arredores;
7. Jd. Flamboyant;
8. Região Central;
9. Oziel/Monte Cristo;
10. Jd. Castelo Branco.

Área com Alta taxa do Grupo de Rico em Áreas com Falta de Saneamento Básico:
11. Pq. Florence I e II/Jd. Rossin
12. Parte Jd. São Marcos/Matão e Arredores;
13. Parte Sousas/Joaquim Egídio.

Áreas com Alta taxa do Grupo de Risco em Áreas de Alta Densidade:
14. Região Central;
15. Jd. Londes/Jd. Garcia

O mapeamento pode ser acessado em:
https://www.feac.org.br/portfolio-items/mapeamento-das-populacoes-mais-vulneraveis-ao-covid-19/?portfolioCats=3100

Fundação FEAC
A Fundação FEAC é uma organização independente, privada, de interesse público,

sem vínculos político-partidários, com fins não econômicos, fundada em 1964. Tem como missão a promoção humana, a assistência e o bem-estar social, com prioridade à criança e ao adolescente, em Campinas/SP.
Informações: (19) 99983-0407

Fonte: Assessoria de Imprensa

Hebe Rios

Editora-chefe

Deixe uma resposta